segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Nunca mais se viram, nunca mais se tocaram e nunca mais serão os mesmos. 

Tati Bernardi

domingo, 30 de janeiro de 2011

sábado, 29 de janeiro de 2011

Oioi, gente
Achei isso navegando pela internet e achei interessante compartilhar com todos.


As quatro leis da Índia


primeira diz: “A pessoa que vem é a pessoa certa“.
Ninguém entra em nossas vidas por acaso. Todas as pessoas ao nosso redor, interagindo com a gente, têm algo para nos fazer aprender e avançar em cada situação.
segunda lei diz: “Aconteceu a única coisa que poderia ter acontecido“.
Nada, absolutamente nada do que acontece em nossas vidas poderia ter sido de outra forma. Mesmo o menor detalhe. Não há nenhum “se eu tivesse feito tal coisa…” ou “aconteceu que um outro…”. Não. O que aconteceu foi tudo o que poderia ter acontecido, e foi para aprendermos a lição e seguirmos em frente. Todas e cada uma das situações que acontecem em nossas vidas são perfeitas.
terceira diz: “Toda vez que você iniciar é o momento certo“.
Tudo começa na hora certa, nem antes nem depois. Quando estamos prontos para iniciar algo novo em nossas vidas, é que as coisas acontecem.
E a quarta e última afirma: “Quando algo termina, ele termina“.
Simplesmente assim. Se algo acabou em nossas vidas é para a nossa evolução. Por isso, é melhor sair, ir em frente e se enriquecer com a experiência. Não é por acaso que estamos lendo este texto agora. Se ele vem à nossa vida hoje, é porque estamos preparados para entender que nenhum floco de neve cai no lugar errado.
Saudade mata a gente, menina.
Saudade engole a gente, menina.


Chico Buarque



Me responde, por favor. Pra onde vai o meu amor, quando o amor acaba?


Chico Buarque
É preciso ter asas, quando se ama o abismo.


Nietzsche
Menino, menino tenho uma enorme ternura por você e para mim é muito difícil isolar essa ternura da razão quando te escrevo (...) nós vamos nos ver, nós vamos conversar, sair juntos provavelmente nos tocar e de repente tudo pode realmente ser. Ou não. Mas de jeito nenhum quero, sei lá, ser irresponsável ou não medir as conseqüências dum negócio que pode ser muito sério (...). Quero muito te amar e me encontrar contigo, mas não sei se conseguiremos... tenho medo.




Caio Fernando Abreu

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Oi, gente

Só para avisar que algumas pessoas me adicionaram no orkut, porém quando eu fui aceitar o orkut não as colocou nos meus amigos. Se quiserem me adicionar de novo, tudo bem. :)

Pai, não sei se está interessado em ouvir algo sobre mim. Minha vida não tem muito a ver…com o estilo de vida que você aprova. Estou sempre mudando. Não por estar trabalhando para algo em particular…eu só quero me afastar das coisas que vão dar errado.

Robert Dupea, personagem de Jack Nicholson no filme “Five Easy Pieces” (1970).

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Gente, eu tentei, mas carma não é qualquer um que se livra.

Camila Meneghetti

domingo, 23 de janeiro de 2011

Eu deixei você aqui, bem aqui.

Eu saí daqui sabendo exatamente que era isso que eu ia fazer quando chegasse lá. Eu gosto mesmo de rituais e de símbolos e eu te deixei lá.

Eu tava ali na água e disse "você fica aqui. você não volta mais comigo. porque acabou há muito tempo e eu tô cansada e você também e eu não posso passar mais um ano ou um minuto me sentindo assim. então você fica aqui."

E pela primeira vez eu acho que você finalmente fez o que eu queria que você fizesse.

Você ficou lá.



Da Renata do blog tantos clichês

sábado, 22 de janeiro de 2011

Lembra que o plano
Era ficarmos bem?


Vento no litoral - Legião Urbana





quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Eu prefiro morrer sua amiga do que quebrar algum elo misterioso e te perder para sempre. 


Tati Bernardi

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Nunca saberemos se os enganados são os sentidos ou os sentimentos, se viaja o comboio ou a nossa vontade se as cidades mudam de lugar ou se todas as casas são a mesma. Nunca saberemos se quem nos espera é quem nos deve esperar, nem sequer quem temos de aguardar no meio de um cais frio. Não sabemos nada. Avançamos às cegas e duvidamos se isto que se parece com a alegria é só o sinal definitivo de que nos voltamos a enganar.


Amalia Bautista
Ao Fim são muito poucas as palavras que nos doem a sério e muito poucas as que conseguem alegrar a alma. São também muito poucas as pessoa que tocam nosso coração e menos ainda as que o tocam por muito tempo. E ao fim são pouquíssimas as coisas que em nossa vida a sério nos importam:poder amar alguém, sermos amados e não morrer depois dos nossos filhos.

Amalia Bautista
Conta-me outra vez, é tão bonita
que não me canso nunca de a ouvir.
Repete-me de novo, os dois da história
foram felizes até à morte,
ela não foi infiel, ele nem
se lembrou de a enganar. E não te esqueças,
apesar do tempo e dos problemas,
continuavam a beijar-se cada noite.
Conta-me mil vezes, por favor:
é a história mais linda que conheço.

Amalia Bautista
Sei que me estou a afogar, mas ao menos
consigo manter a cabeça de fora.
Por isso, peço-te,
não venhas tu fazer ondas.

Amalia Bautista

sábado, 15 de janeiro de 2011

O amor não acaba. O amor apenas sai do centro das nossas atenções. O tempo desenvolve nossas defesas, nos oferece outras possibilidades e a gente avança porque é da natureza humana avançar. Não é o sentimento que se esgota, somos nós que ficamos esgotados de sofrer, ou esgotados de esperar, ou esgotados da mesmice. Paixão termina, amor não. Amor é aquilo que a gente deixa ocupar todos os nossos espaços, enquanto for bem-vindo, e que transferimos para o quartinho dos fundos quando não funciona mais, mas que nunca expulsamos definitivamente de casa.


Martha Medeiros

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Foda-se esse amor. E foda-se você.


Tati Bernardi

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011


Meu amigo Bobby Gaylor tem uma opinião a respeito de tudo que perguntam a ele.
- O que acha sobre a morte?
- Fui ao IML em Los Angeles. Numa pesquisa para um projeto. Quando entrei na cripta, estava cercado por 104 corpos. Estavam em macas. Não estavam nas gavetas. E o sentimento que pensava que fosse ter, no meio daqueles corpos, não foi o sentimento que tive. Fiquei cheio de esperança, pois, de repente, ocorreu-me que aquelas pessoas não tinham mais escolhas, mas eu tinha. Comecei a pensar: “Quando sair daqui, vou ligar para meu irmão. “Vou ligar para minha mãe. Sempre quis ir à Europa. “Vou marcar uma viagem.” E pelo resto daquele dia, tão rápido quanto estou falando agora, estava dominado por “ter escolhas”. Isso passou. Mas naquele dia, aquelas pessoas me lembraram que elas não tinham mais escolhas. Mas eu tinha.


Do documentário “The Nature of Existence”, de Roger Nygard (2010)

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Oi, gente :)
Vou passar uma semaninha fora, dai né, o blog vai ficar paradinho até eu voltar.


Beijos

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Opte por aquilo que faz seu coração vibrar. Apesar de todas as consequências.



Osho

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

All the days spent together
I wish for better,
But I didn’t want the train to come
Now it’s departed, I’m broken hearted
Seems like we never started
All those days spent together
When I wished for better
And I didn’t want the train to come.

Duffy - Warwick Avenue
Sonhei que você sonhava comigo. Parece simples, mas me deixa inquieto. Cá entre nós, é um tanto atrevido supor a mim mesmo capaz de atravessar — mentalmente, dormindo ou acordado — todo esse espaço que nos separa e, de alguma forma que não compreendo, penetrar nessa região onde acontecem os seus sonhos para criar alguma situação onde, no fundo da sua mente, eu passasse a ter alguma espécie de existência. Não, não me atrevo. 


Caio Fernando Abreu

domingo, 2 de janeiro de 2011

Sofro por causa do meu espírito de colecionador-arqueólogo. Quero pôr o bonito numa caixa com chave para abrir de vez em quando e olhar.
Adélia Prado
Machucamos com a voz, mas para torturar mesmo só com o silêncio.
 Fabrício Carpinejar

sábado, 1 de janeiro de 2011

Talvez seja a saudade a única ligação entre as coisas.

Cornelia Funke
Oi, gente
Achei uma frase anotada em um caderno que tenho, porém não apresentava o autor, mas acho que o significado dela é ótimo para o ano que se inicia.


D é de Darwin: as coisas evoluem.

D is for Darwin: things evolue.



Beijão!