terça-feira, 9 de junho de 2009

A beleza dos versos impressos em livro
-serena beleza com algo de eternidade-
Antes que venha conturbá-los a voz das declamadoras.
Ali repousam eles, misteriosos cântaros,
Nas suas frágeis prateleiras de vidro...
Ali repousam eles, imóveis e silenciosos.
Mas não mudos e iguais como esses mortos em suas
[tumbas.
Têm, cada um, um timbre diverso de silêncio...
Só tua alma distingue seus diferentes passos,
Quando único rumor emm teu quarto
É quando voltas, de alma suspensa - mais uma página
Do livro...Mas um verso fere o teu peito como
[a espada de um anjo.
E ficas, como se tivesse feito, sem querer, um milagre...
Oh! que revoada, que revoada de asas!


Mário Quintana

Um comentário:

Luh Andrade disse...

Quem escreve é ele!!
Texto mt boom mesmo.

amei seu blog!